Biografia: Marat (1743 - 1793)

Líder revolucionário francês, médico formado em Londres, no ano de 1775, quando publicou o Ensaio Filosófico sobre o Homem. Neste ensaio, atacou as idéias de Claude-Adrien Helvetius (1715-1771) contrárias à necessidade do conhecimento científico para quem fosse filósofo. Em 1780, foi considerado subversivo depois de ter publicado o Plano de Legislação Criminal. Três anos depois, abandona a medicina, passando a dedicar-se às experiências com fogo, luz e eletricidade, mesmo tendo sido vetado na Academia Francesa de Ciências, por Lavoisier. Em 1789, edita o jornal radical L'Ami du Peuple (O Amigo do Povo) para defesa de causas populares. Tornou-se, então, líder dos jacobinos, partido mais radical da Revolução Francesa, mas seus ataques aos detentores do poder o levam ao exílio na Inglaterra, entre 1790 e 1791. No ano seguinte, a proclamação da república e a fundação da Comuna de Paris ascendem os jacobinos ao governo, permitindo que Marat seja eleito um dos dirigentes da Assembléia. No entanto, sua oposição sistemática ao partido girondino, moderado, embora tenha sido bem sucedida, uma vez que culminou na derrota deste em maio de 1793, provocou o ódio de Chalotte Corday, uma militante girondina, que o mata a punhaladas na banheira, enquanto se banhava, no dia 13 de julho de 1793, em sua própria casa.


Voltar