Entrevista: Agrotóxico
www.agrotoxicohc.com.br
 Como surgiu o Agrotóxico??? Quem já passou e quem integra a banda atualmente???
O Agrotóxico surgiu no final de 1992, mas começamos a tocar realmente em 1994, fazendo shows na periferia de SP, na época ainda erámos um trio e após muitas mundanças de formação, formamos um quarteto, atualmente voltamos à formula original com Marcos (guit/vocal), Jeferson (baixo/vocal) e Pedro (Bateria).

 Por qual motivo a banda se chama Agrotóxico???
Na verdade, o nome foi colocado pelo Mauro (ex-vocal), nem sei direito direito porque, mas até onde me lembro, era uma analogia a coisas que te corroem sem que vc perceba... como a
mentira, o ódio, a inveja, etc...

 O que a banda diria sobre o "punk" no mundo atual???
A Cena Punk Mundial continua sobrevivendo apesar das dificuldades, e cada dia mais se organiza de diversas formas, o Punk diferentemente de outros movimentos culturais, musicais e políticos é algo que nunca vai acabar, pois nãoéapenas uma forma de música, mas algo ligado ao espírito rebelde de contestação, coisa que nunca vai deixar de existir.

 O que banda diria sobre a cena independente no Brasil???
A Cena independente é muito mais forte hoje do que na época que começamos, alguns locais já estão dando a importância necessária às bandas e a organização tem se mostrado um pouco mais competente hoje em dia, o que se vê pelo grande número de selos, zines e sites dedicados ao assunto.

 A banda foi influênciada por outras bandas??? Quais???
Temos influências pessoais de bandas dos anos 80 como Discharge, Exploited, Varukers, Lama, Appendix, DRI, Asta Kask, Olho Seco, etc... mas tentamos fazer com que nossa música tenha caracteristicas originais e não seja uma mera cópia das bandas que gostamos.

 Vocês são Punk???
Isso é algo muito pessoal, eu me considero Punk, pois tudo na minha vida gira em torno disso há muitos anos...

 Pra vocês o que é ser punk???
Ser Punk para mim é ter atitudes libertárias, rebeldes, não aceitar imposições da moda, ter personalidade própria, não tolerar atos de discriminação...tudo isso aliado ao amor pela música/cena punk.

 O que você acha da cena musical punk hoje no Brasil???
Como eu disse, a cena vem se tornando mais forte nos últimos anos, apesar de por vezes ter sua imagem distorcida por bandas, sites, etc... que apesar de não terem qualquer vínculo com a cena real ainda se entitulam PUNX roubando a estética e a originalidade das bandas verdadeiras, e vendendo-se à primeira proposta que recebem.

 Como vocês definem o som da banda???
Punk, harcore old school, tanto faz...

 Tem previsões para álbuns, clipes e turnês???
Nós estamos fazendo mais uma prensagem do Estado de Guerra Civil que deverá sair em algumas semanas, além disso estamos entrando em stúdio para a gravação de algumas músicas novas pra um split CD com uma banda americana chamada Behind Enemy Lines que deverá sair no Brasil, Alemanha e EUA. Além disso estamos fazendo as malas pra uma turnê na Europa junto com o Flicts, faremos aproximadamente 26 shows em 30 dias por vários países (Alemanha, Holanda, Republica Tcheca, Hungria, Italia e França).

 O que mais incomoda a banda nos dias atuais???
Talvez a falta de grana que impede a gente de investir mais em equipamentos, a falta de tempo para tocar em lugares mais distantes de SP, o amadorismo de algumas pessoas que promovem concertos...mas nda que nos faça pensar em desistir.

 A banda já enfretou algum tipo de dificuldade???
Sim, diversas dificuldades, mas a maior delas sempre foi a troca de integrantes que durante certos períodos nos desestimulou por completo, lembro que antes da turnê européia de 2002 cerca de um mês e meio antes do embarque, nem sequer sabiámos ao certo quem tocaria bateria e por sorte encontramos o Pedro que se adaptou muito bem à banda e continua conosco. Mas, de qualquer forma, temos em mente que problemas sempre ocorrerão, mas sempre persistiremos, pois sabemos da grande importância que tudo isso tem em nossas vidas.

 Existe preconceito na cena independente??? Como é possivel combáte-lo???
Existe sim, já fomos barrados de tocar em algumas casas sob o argumento que nosso público causava muitas encrencas, o que além de ser mentira, demonstra o toal preconceito com bandas que "nadam contra a maré" ou seja, que persistem tocando Punk em tempos em que "HCzinho For Fun" e o "Emocore" são as bolas da vez. Acho que a melhor forma de combater esse preconceito é persistir nos seus ideiais, sempre haverá espaço para as bandas honestas consigo mesmas. Queremos que se fodam todas as pessoas que de alguma forma querem nos prejudicar, seja com atitudes preconceituosas, seja com intrigas idiotas.

 Espaço para um recado para a galera que está lendo esta entrevista:
Mantenham contato conosco, acesse nosso site www.agrotoxicohc.com.br. Exponham suas idéias, criem algo produtivo para suas vidas, além do trabalho necessário para a subsistência, todos nós temos que fazer nossa história e tentar mudar pra melhor o mundo em que vivemos. Acredite que vc pode!! Faça você mesmo ! Paz e anarquia !!!


Voltar