Movimentos: Riot Grrrl

Tudo começou nos Estados Unidos em meados dos anos 90, o termo surgiu quando Alison Wolfe, do Bratmobile, resolveu fazer um fanzine feminista chamado riot grrrl onde se rebelavam contra alguns dogmas intocáveis do mundo do rock: garotas não sabem tocar guitarras, bateria, ou baixo tão bem quantos os homens .Por causa desses dogmas, varias garotas sentiam-se desestimuladas a tomar frente de uma guitarra ou qualquer outro instrumento.
As riot grrrls não faziam questão de se mostrarem bonitinhas, meigas, ou bem comportadas. O movimento Riot foi bem popularizado por bandas de garotas como Bikini Kill e Tribe 8, elas reverenciaram antecessoras roqueiras de visual e verbos agressivos: a poetisa Patti Smith e o humor cínico de Deborah Harry.
Aqui no Brasil já há varias bandas com ideais riot e varias garotas que se conscientizaram do movimento que cresce a cada dia mais pelo mundo. (Tradução de Riot Grrrl = Garotas Rebeladas.)
O mundo e os direitos das mulheres melhoraram bastante, desde os últimos anos. Hoje as mulheres podem votar, trabalhar, estudar, e fazer milhares de coisas que não era permitido, no século passado, por exemplo. Isso foi conseguido graças as feministas, que ousaram se rebelar contra a situação de submissão, nos tempos antigos. E a coisa mais importante que foi conquistada, foi o direito a educação. A educação e a cultura são poder e força. Isso não tem nada haver com dominação. O poder, que eu digo, é de ter uma opinião formada, de não ser dominada como massa de manobra, de ter suas próprias idéias sobre a vida. é essa liberdade que faz a diferença. E o que isso tem haver com feminismo?
A limitação das mulheres no passado, foi devido a falta de educação, pois se fosse providenciado cultura e mais liberdade, toda essa discussão de "guerra dos sexos" estaria encerrada. Eu não sou contra, ao contrário, amo os homens. Mas não posso ficar calada diante dos fatos que acontecem diariamente na minha vida, na vida de qualquer outra garota ou mulher. Mulheres sendo estupradas e violentadas a cada segundo, e sofrem caladas, com medo. Homens que deveriam tratar a mulher com respeito, só pensam em usá-las para sexo. Mulheres sendo espancadas, muitas vezes pelo próprio marido, namorado. Mulheres que ganham salário ridículo e fazem o mesmo tipo de trabalho que o homem...
Estou cansada dessa violência e deteriorização da mulher! Basta olhar para as letras de música, de grupos de pagode, música baiana e até mesmo bandas de rock! Não somos uma "buceta ambulante", como prega certas bandas. Ainda estamos sendo exploradas e humilhadas. É preciso que ousemos, quebremos barreiras e muros, discutamos, lutemos por uma situação igualitária.
O Brasil é um país machista É um lugar aonde nem 1/5 dos políticos são mulheres, onde a imagem que passam é que a mulher tem que ter um emprego mais ou menos, não precisa ser inteligente, apenas "boa de corpo" para ser respeitada (o termo certo seria 'usada'...). É um lugar onde a mulher objeto é cultuada. Esse é o meio dela se destacar por aqui. Porque sua inteligência, suas idéias, não é nada, o que importa é que ela pese 50 kg, tenha uma bunda a "Carla Perez" e cérebro de Boneca Inflável de sex shop. Somos estimuladas a nos adequar a um só padrão. A mulher tem que ser vista como romântica, ingênua, sensível, disposta a perdoar sempre, já que ela é sexo frágil, não é mesmo? Se dissermos que gostamos de sexo, nos chama de prostitutas... Agora, para os homens, gostar de sexo é o básico! Isso tem que acabar! Nós temos que ser o que queremos ser! Essa revolução, esse caminho para a liberdade, tem que partir de cada uma de nós, e tem que ser agora! Use o seu cérebro, sua vontade e você irão longe! Mesmo que você seja uma das muitas mulheres para quem a vida sempre foi difícil, que se sinta solitária, incompreendida, abandonada, tenha medo do futuro, esteja faminta de amor, deprimida ou apenas triste e entediada... Lute, você pode modificar tudo isso!
Mas o que é uma Riot Grrrl? É feminismo com atitude, para mudar a sociedade e as pessoas com palavras radicais. É ser você mesma, é se recusar em mudar o seu jeito por causa da sociedade e não se conformar com certos padrões. Ter opinião própria. Desafiar os padrões de beleza e aceitar a beleza em suas diversas formas, aceitando as diferenças entre cada pessoa, porque ninguém deve ser igual a ninguém.


Voltar